Fazendo História e Política…

 

            Como não poderia deixar de ser, senti a necessidade de escrever algumas palavras sobre os novos acontecimentos: Os manifestos, que desde a última semana veem modificando o cenário brasileiro. Um misto de descontentamento e euforia tomou conta dos cidadãos, que saíram às ruas a fim de protestar. O estopim da ‘coisa toda’ foi o aumento das passagens do transporte coletivo público e não o início, como a mídia diz. A realidade é que o brasileiro está cansado de tanta inércia dos governantes, de tanta sujeira advinda de políticos corruptos e da maquiagem que se faz com o dinheiro público, arrecadado com os impostos exorbitantes no qual temos que ‘engolir’ e o que bastou para a insatisfação geral foi o direito de ir e vir do cidadão, o valor das passagens do transporte coletivo. O brasileiro está fazendo história nesse momento, aliás um momento surreal, pois não se esperava evento de tamanha grandeza. Desta forma, vale ressaltar que os acontecimentos são maravilhosos, frutos de uma democracia e se deve sim manifestar o descontentamento, afinal quem está no poder foi eleito pelo povo e deve agir em prol de quem o colocou lá, entretanto, ouve-se falar em manifestos despolitizados, sem bandeiras partidárias ou coisa assim. Calma lá, faz-se necessário entender alguns propósitos antes de criticá-los. Primeiramente, é preciso compreender o que são os famosos dizeres: Esquerda e Direita, bastantes comentados nos últimos dias. Pois bem, Direita e Esquerda são termos que surgiram com a Revolução Francesa, onde o rei Luis XVI, para se organizar melhor propôs eleições, a fim de realizar uma reforma que aplacasse a crise que a França enfrentava naquela época, desta forma, em suas reuniões acabou distribuindo os presentes. Na ala da direita, do plenário, ficavam integrantes do funcionalismo real, os nobres proprietários de terras, os burgueses enriquecidos e alguns clérigos. Na ala da esquerda, no mesmo local, ficavam os membros da pequena e média burguesia e demais simpatizantes da reforma em questão. Em suma, os chamados de “direita” representam a classe dominante e a conservação dos interesses da elite e os chamados de “esquerda” representam uma orientação reformista baseada em conquistas e benefícios às classes sociais menos favorecidas. Concluindo, Direita e Esquerda são uma maneira de se classificar posições políticas, ideológicas ou partidos políticos legais. Voltando a falar sobre as manifestações, cabe lembrar que suas bases são fundamentadas em ideais de esquerda, ou seja, estamos lutando por melhorias no valor do transporte público, o estopim, seguido de muitas outras reivindicações, que a meu entendimento está um tanto vago. Ninguém sabe ao certo o que se está buscando e como tudo isso vai terminar. Partindo dessa premissa, faz-se necessário ter uma pauta, ter certeza das reais reivindicações, é preciso liderança e organização. Sair na rua por sair, para fazer festa, pode ser perigoso, é preciso conhecimento de causa, e o que sempre digo: É preciso leitura, muita leitura e se não entender, leia mais um pouquinho. Sabe-se do poder de manipulação que a classe dominante e as mídias possuem, por isso deve-se ficar atento ao que elas desejam que nós façamos. Estar lutando por ideais e melhorias é sim fazer política (política nada mais é do que ser favorável a um assunto e contrário a outro), querendo ou não as pessoas estão nas ruas fazendo política e escrevendo um pedacinho da história. Acredito que as reais mudanças começam nas urnas, não adianta nada protestar nas ruas, enfurecido com os governantes e querer tirá-los do poder a todo custo, estão lá pelo voto, nós os colocamos lá, cabe reivindicar o que se está realizando pelo bem comum, de que maneira empregam o dinheiro público, como conduzem a saúde, a educação, o transporte coletivo público, como conduzem a criação de Leis e projetos de Lei. Por isso vá para as ruas lutar, contudo, lute com consciência, saiba exatamente o que você quer, lute por um país melhor, não se esqueça da nossa democracia, nada de pedir intervenções militares, de pensar que ser apartidário é bacana, o problema não são os partidos e sim as pessoas, ajam com racionalidade e nas próximas eleições não se deixem influenciar pela mídia.  

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s