O que fazer quando seu pequeno sente medo?

 

O que fazer quando seu pequeno sente medo?

É praticamente unânime, toda criança, em algum período de sua vida, passa por uma situação de temor. Um exemplo clássico: ao colocar seu filho na cama, ele diz que ali não pode dormir, pois tem um monstro debaixo da cama! E aí, o que você faz? Ri e mostra que não há nada em seu quarto ou deixa que a criança durma com você?

Na visão de especialistas, as duas opções estão fora de questão. Para lidar com os medos infantis, é preciso oferecer segurança e respeito. “Subestimar os medos é proibido”, isso só vai piorar as coisas.

O medo é um sentimento natural e esperado, tanto em crianças como em adultos – a diferença, é que muitas vezes os temores infantis são meramente imaginários, o que não justifica a falta da devida atenção. O temor é um sinal de que algo de ameaçador pode acontecer, levando o indivíduo a evitar correr riscos desnecessários. Sua ausência, em certas idades, pode se tornar preocupante: “se a criança não desenvolve um certo receio de cães, por exemplo, ela irá brincar com todos os peludinhos que encontrar pela frente, contudo, sabe-se que nem todos são sociáveis e provavelmente esta criança poderá sofrer com a mordida canina, ou ainda, se ela não tem medo de altura, poderá engatinhar até a beira da cama e cair.

Estudiosos explicam que a fase natural dos medos ocorre entre os 3 e 5 anos, os mais comuns são: medo de trovão, do escuro, de monstros ou dormir sozinhos. A tendência é desaparecer os temores, com o amadurecimento emocional, entretanto, o papel dos pais, nesta fase, é fundamental.

Como ajudar a criança a superar …

 Respeito e apoio são importante, porém não são suficientes. Ao lidar os medos, deve haver uma certa coerência, ou seja, não adianta dizer que o Homem do Saco não existe, se na manhã seguinte o mesmo Homem do Saco virá pegar a criança caso ela não coma toda sua comida.

A compreensão é outro fator relevante, mostre a seu filho que é comum e perfeitamente normal sentir medo, explique que todo mundo sente medo de alguma coisa, inclusive o papai e a mamãe. “Converse bastante com seu filho, essa é uma boa estratégia, para descobrir e amenizar ou até extinguir o medo”. Fique atento, muitas vezes a criança não expõe os sentimentos, apenas passam a evitar as situações que lhe causam desconforto, todavia, quando a criança é muito pequena, fica difícil reconhecer o que a assusta, neste caso tente eliminar hipóteses, crie cenários variados, afim de identificar o problema, questione, por exemplo, ‘ e se eu deixar a luz acesa, é legal? E se eu ficar com você um pouquinho? E quando você dorme na casa da vovó com é…?’

Como diferenciar a fobia do medo natural

 Nem sempre os pais conseguem tranquilizar seus filhos, neste caso faz-se necessário procurar ajuda de um profissional, isso ocorre quando o medo é exessivo, a ponto de prejudicar o contato social, o escolar ou até o lúdico, contudo, a linha que separa o medo natural da fobia varia de criança para criança. Por isso, observe mudanças bruscas de comportamentos, problemas físicos ou mudanças de humor, estes são alguns indicadores de que o medo passou dos limites.

Conheça os medos comuns de cada faixa etária…

Dos 0 aos 6 meses: o medo está relacionado aos fortes ruídos e a perda da segurança.

Dos 7 aos 12 meses: A criança passa a estranhar as pessoas e surge o medo de altura.

1 ano: Nesta fase, a criança tem medo da separação – manifesta-se quando há o distanciamento dos pais – pode ocorrer também o medo de se machucar.

2 anos: O temor é pelos ruídos fortes (aspirador de pó, ambulância, trovão), teme entrar em salas escuras (cinema ou teatro).

3 anos: Surge o medo do escuro, medo de máscaras ou rostos cobertos (palhaço, fantasias).

4 anos: A criança pode desenvolver o medo de animais e ruídos noturnos.

5 anos: Surge o medo de “pessoas más” (ladrão, homem do saco).

6 anos: É a fase dos medos fantásticos ( fantasmas, bruxas), surge também o medo de dormir sozinho.

Enfim, o importante é respeitar e acolher a criança, em cada fase de sua vida, fazendo assim, com que ela sinta segurança e viva cada período de forma plena e tranquila.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s